Como o formato da taça influencia o sabor do vinho?

em Dicas e Inspirações, publicado em 12 de Abril de 2018

Com os diversos modelos de taças disponíveis no mercado, preparamos algumas dicas para você selecionar os modelos que mais combinam com suas variedades de uva favoritas.

A marca austríaca Riedel possui uma linha de taças varietais cujo design foi produzido para uma casta específica,  formuladas para destacar os melhores aromas de cada tipo de vinho. A forma das taças conduz o vinho na boca, realçando suas características e liberando seus aromas. Em resumo, a taça apropriada enfatiza as qualidades do vinho e até esconde certos defeitinhos.

Cada vinho possui características únicas dependendo da uva com que é produzido, por isso é importante atentar para alguns itens essenciais para melhorar a apreciação da bebida.  Além do formato, deve-se observar o tamanho da taça, a espessura e  o material com que é produzido. Quando são muito grandes elas são ideais para receber vinhos que precisam do contato com o oxigênio para ser saboreados, porém quando são menores, elas valorizam vinhos que devem ser consumidos rapidamente, evitando esquentar no copo.

Taças muito longas são adequadas para bebidas espumantes, já que permitem a formação correta das bolhas e melhoram seu aroma, enquanto as taças pequenas e curtas são ideais para vinhos doces que são consumidos em doses menores.

Você pode escolher alguns modelos de taças versáteis para ter em casa sem perder o prazer de beber vinho. Os modelos que não podem faltar em sua casa, são os adequados para os vinhos que se gosta de beber. Aconselhamos que você tenha em casa quatro modelos básicos: uma taça para brancos, duas para os diferentes tipos tintos (Bordeaux e Borgonha) e uma para espumantes. Se quiser, pode ainda ir além, com uma para rosados e uma para doces (apesar de a de vinho branco também servir para essa função).

TIPOS DE TAÇAS indispensáveis

Taça Borgonha: O design da taça borgonha lembra um balão, com bojo maior do que as taças Bordeaux e uma boca maior, permitindo maior contato do ar com a bebida. Esse tipo de taça é ideal para favorecer vinhos de aromas imperdíveis e também facilita o contato da bebida com o centro da língua, diminuindo sua acidez. Essa taça é ideal para Pinot Noirs, Riojas e Nebbiolos.

Taça de vinho branco: A taça de vinho branco, como seu nome já indica, foi elaborada para consumo rápido e fácil dessa bebida. Elas tem um bojo menor e são mais baixas, permitindo que o volume preenchido da taça seja pequeno e não favoreça a elevação da temperatura, já que esses vinhos devem ser consumidos mais gelados. Podem ser usadas também para os vinhos rosé.

Taça de espumantes: Essa taça é também chamada de Flute (flauta), por causa de seu formato fino e alongado. Esse design é ideal para que sejam formadas as bolhas da bebida espumante, que colaboram com seu sabor e aroma. Como o volume dessa taça é pequeno, ela também não prejudica a temperatura da bebida, que deve ser servida a temperatura ideal sempre.

Taças de vinhos doces (sobremesas): Essas taças possuem bojo e tamanho pequeno, para valorizar o consumo de vinhos mais doces, que não devem ser ingeridos em grandes quantidades. O desenho da taça, com a boca levemente fechada, permite que a bebida seja levada diretamente para a ponta da língua, onde saboreamos paladares mais doces.

Material

Deixe de lado qualquer uma que não seja completamente transparente, afinal, parte do prazer de degustar um vinho também está em olhar para suas tonalidades, que dão dicas sobre o tipo de uva e idade da bebida.

Existem basicamente três opções: de cristal, cristal de vidro ou vidro.  A diferença entre elas é a presença e o teor de chumbo, metal utilizado em sua produção. A de cristal tem até 24% de chumbo, o cristal de vidro vem com cerca de 10% e o vidro não tem. O chumbo dá mais leveza, delicadeza e sonoridade, além de fazer com que a espessura da taça seja mais fina. As taças de cristal também são mais porosas. Esse fator também é positivo, já que ao girarmos um vinho enquanto o degustamos, forçamos as moléculas contra a parede áspera, quebrando-as e, deste modo, obtendo grande concentração de aromas. O cristal Tritan foi lançado Schott Zwiesel que é completamente livre de chumbo e bário , e 60% mais resistente e durável do que o cristal de chumbo.

Posts relacionados

Comente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *