Café: Modos de preparo para todos os gostos

 

Se você assim como a gente aqui da Tool Box, é APAIXONADO por um cafezinho, esse post é pra você! Por aqui vamos te mostrar quais os tipos de preparo mais comuns e quais as principais diferenças entre cada modo. Engana-se quem acredita que é só escolher um bom grão para começar: certamente esse é um bom começo, mas o modo que você escolher pode ditar como vai ser o resultado e como você vai aproveitar todos os atributos dessa sua escolha.

Café coado

Facilidade e rapidez são o que fazem desse modo de preparo do café o mais comum nas casa dos brasileiros e em padarias e estabelecimentos comerciais (inclusive o famoso cafezinho da firma). Não se sabe quando surgiu e quem foi o primeiro a utilizar essa forma de extração de café, mas até hoje ela é a mais tradicional nas casas, bares e padarias. Muito usado anteriormente, o coador de pano foi trocado pelo coador de papel, inventado pela dona de casa chamada Melitta Bentz. Depois de várias reclamações de seu marido devido à qualidade do café que preparava, ela notou que o problema eram os resíduos de café acumulados nos preparos anteriores em coador de pano.

Como funciona?

O método é muito simples: coloca-se o pó no coador e depois despeja-se água quente normalmente filtando para dentro de um bule. Para o coador de papel recomendamos o uso 40 gramas de pó para 500 ml de água. Para o coador de pano, use 50 gramas para 500 ml de água. A quantidade de café no coador de pano é maior do que a do filtro de papel por conta da trama do tecido que faz uma extração de café mais rápida.

Por que o café fica tão bom?

A bebida fica com pouco corpo e retrogosto com notas de chocolate, baunilha, caramelo e avelã, e acidez cítrica. Os coffee lovers vão adorar esses dados: o café coado possui maior concentração de cafeína e isso ocorre porque nesse tipo de preparo o café fica mais tempo em contato com a água, o que faz com que uma maior quantidade de cafeína seja extraída do pó. Só para se ter uma ideia, uma xícara de café expresso contém de 90 a 200 mg de cafeína, enquanto a xícara do tradicional café coado tem entre 150 e 300 mg da substância.

A super novidade por aqui é o filtro de inox da Bialetti. A passagem da água pelo pó de café de maneira uniforme resulta em uma bebida mais suave, com doçura e acidez acentuadas adequadamente. É um método de extração do café direto para xícara e que não usa plástico nem coador descartável de papel, portanto mais ecológico. Os óleos presentes no grão de café ficam mais preservados passando direto pela malha de inox. CONHEÇA MAIS DESSE PRODUTO  CLICANDO AQUI!

French Press (Prensa francesa)

Esse é o modo de preparo pra quem gosta de provar um café mais potente, semelhante ao espresso. Porém sem uso de máquinas, eletricidade ou filtro de papel. A ação 100% manual e prática é possível graças à french press, cafeteira que vem se tornado sensação entre coffee lovers.

Como funciona?

A cafeteira francesa promove a fusão entre a água e o café moído, esse processo é semelhante ao preparo do chá, quando as folhas ficam em contato com a água quente e desprendem ali as propriedades da planta.

Por que o café fica tão bom?

Ao dispensar o filtro de papel, o sistema de tela da french press permite a passagem dos óleos essenciais do grão para a água, o que faz toda a diferença na experiência gustativa do café. Afinal, as substâncias aromáticas e de sabor do grão estão concentradas ali.

Na boca, a bebida revela notas e aromas de forma mais pronunciada, valorizando as características sensoriais do da variedade de café que você escolheu.

Cafeteira italiana (MOKA)

Super estilosa, a Moka foi a precursora das máquinas de café expresso, surgiu na Itália de uma adaptação de um bule. Ainda é uma das formas preferidas de se fazer café em casa na Europa, por isso é comum aparecer no fundo de alguns filmes do cinema europeu por aí.

As Cafeteiras Bialetti são consideradas por muitos apreciadores como  a melhor cafeteira italiana do mundo, deixam o café mais gostoso possível! Sua qualidade é incomparável, tem uma alta durabilidade e, afinal, ela é produzida na Itália, país de origem desse modelo! Quer coisa melhor do que comprar um modelo original?

Como funciona?

O processo de preparo é bem simples. Na parte de baixo da cafeteira, coloca-se água e, na parte de cima, em um recipiente furado, o café. Depois, a parte de cima é rosqueada e a cafeteira, colocada no fogo. Quando a água entra em ebulição, passa pelo pó e o líquido que sobe já está pronto e fica armazenado na parte superior.

Por que o café fica tão bom?

A Moka é um dos únicos métodos de extração do café que funciona por pressão da água e que proporciona uma bebida com leve amargor e pouca acidez. A cafeteira italiana não é a mesma coisa que uma máquina de espresso, mas também é um método de extração por pressão, por isso o slogan da marca usado até hoje é “Em casa, um espresso como na cafeteria.” Quando devidamente preparado, o café lembra o sabor de um espresso, bebida forte e encorpada. Esse método ressalta o amargor do café, enquanto a acidez se destaca menos.

 

Café Espresso

Esse método de extração também é italiano, e assim como o modo de preparo acima, é amargo e agressivo. Mas o espresso tem uma particularidade que o torna único: a crema. Quem já tomou um bom espresso, certamente já reparou na crema do café. Ela é aquela camada espessa de aspecto cremoso que fica por cima da bebida. Para muitos, ela é apenas mais uma espuma na xícara. Ela possui duas importantes funções: garantir que a temperatura do café seja mantida e que o aroma continue totalmente preservado antes do consumo.

Como funciona?

espresso não utiliza grãos diferentes, ele é feito com os mesmos grãos que o café tradicional é feito. Porém, o que difere em gosto e aroma é o método de prepará-lo: ele é feito através da passagem de água quente (não fervendo) sob alta pressão pelo grão moído.

Por que o café fica tão bom?

É tudo uma questão de ciência. Espresso é  preparado sob pressão, em doses individuais para ser saboreado no exato momento da extração. É um café resultante da combinação dos mais intensos aromas e sabores. As máquinas devem permitir a operação com pressão de 9 atmosferas (atm) e temperatura de 90º C, num tempo que varia de 25 a 30 segundos. Estas são condições ideais para a obtenção de um café expresso excelente. O café espresso é concentrado – 7 gramas de pó para até 50ml de água – de aroma e sabor intensos com um bom corpo e persistência no paladar, coberto por um denso creme cor de avelã.

Espresso é uma palavra italiana que, em português, traduz-se como expresso. Sim, foi na Itália que nasceu o café preparado dessa maneira, na hora, numa máquina especial. No Brasil, a palavra Expresso com X significa que algo é rápido. Já a palavra Espresso com S vem do italiano, e significa “pressionar para fora”. No italiano, Espresso pode significar, entre outras coisas, exercer pressão. Por isso por aqui costumamos chamar esse modo de preparo de Espresso.


Curtiu? Você vai curtir essas também!

Theme Tool Box by Leo Brescia